Conheçam a Saga Vale dos Elfos.

quarta-feira, 23 de julho de 2008

TRADUZIR-SE


Uma parte de mim
é todo mundo:
outra parte é ninguém:
fundo sem fundo.

Uma parte de mim
é multidão:
outra parte estranheza
e solidão.

Uma parte de mim
pesa, pondera:
outra parte
delira.

Uma parte de mim
é permanente:
outra parte
se sabe de repente.

Uma parte de mim
é só vertigem:
outra parte,
linguagem.

Traduzir-se uma parte
na outra parte
- que é uma questão
de vida ou morte -
será arte?

Ferreira Gullar.

"Bom, como eu não queria colocar outro poema triste, decidi colocar esse do Ferreira Gullar, autor que gosto muito, e que nesses versos fala da inconsistência de nossas vidas, das diversas maneiras como somos, da mutabilidade e da diversidade de identidade que podemos ter, sendo ao mesmo tempo uma coisa e seu oposto."
Átila Siqueira.

5 comentários:

Ana disse...

poema mto lindo
ainda bem q vc resolveu sair da tristeza
ahauhauhauahuah
eh bom se libertar d vez em qdo
Bjs

Bruna disse...

oi Atila...td bem??????

obrigada por comenta nu meu blog...bom,por enquanto naum vou poder postar...estou sem net...mais logo logo volto a ativa...

;)

besos

Ynot Nosirrah disse...

Olha eu passando aqui para prestigiar seu trabalho. Boa noite.

conscienciaacademica.blogspot.com.

Maria Ana disse...

gosto muito do Ferreira Gullar. Essa letra é linda, simplesmente.

obrigada pela visita.
será muito bem vindo a um retorno.

nana

Lualves disse...

Atila,

Deixo aqui registrada a minha passagem pelo seu blog. trilhar o caminho da poesia é árduo... Gullar eh um grande referencia... Aproveite bastante... Caso queira trocar ideias...mantenha contanto...
forte abraco...