Conheçam a Saga Vale dos Elfos.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Sem Esperança.




Em meio a mil pessoas.
Em meio a mil prédios.
Sozinho na solidão.
Sozinho na multidão.

Perdido
Em meus pensamentos,
Em meio a mil vozes,
A mil palavras
Sem importância.
Em meio a mil seres.
Sozinho no meio da massa.

Amigos que vão e vem.
Palavras de consolo.
Palavras de crueldade.
Vida obsoleta e vazia.
Vida que não significa nada.

Escrevo, leio,
Estudo, vegeto.
Vivo sem nada esperar.
Enterro-me nos trabalhos
De meu novo romance.
Escrevo o dia inteiro
Para acabar com a vida
Que demora a passar.

Subo em um prédio
Na noite escura
E penso em pular.
Ando por ruas desertas,
Aprecio as estrelas,
O infinito céu,
E o belo luar.

E pergunto-me
Se há alguém no universo,
Em algum planeta distante,
Que está como eu,
Sem nada da vida esperar.

Um dia após o outro,
Manhã, tarde e noite,
Vejo a vida passar,
Sem esperanças,
Sem anseios,
Sem minha amada.
Rezo para que
A velhice e a morte
Não tardem a chegar.

Átila Siqueira.

"Poema antigo que eu hoje mostro a todos os leitores desse blog. Aproveito também para divulgar que o meu livro, Vale dos Elfos II está com previsão para ser lançado agora no início de Dezembro. Compartilho com vocês agora uma das ilustrações internas do livro, feito pelo artista plástico Wander Lara".

8 comentários:

Lucas Lopes Valadares disse...

Um belo poema Átila, parabéns!
Fico muito feliz em saber que seu novo livro está saindo e admirado com a qualidade das imagens!
Um Abraço;

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Belo e melancólico poema, Átila. Muito bem feito. Saudades do amigo.
Beijos*******

Quanto mais envelhecia, quanto mais insípidas me pareciam as pequenas satisfações que a vida me dava, tanto mais claramente compreendia onde eu deveria procurar a fonte das alegrias da vida. Aprendi que ser amado não é nada, enquanto amar é tudo (...).


O dinheiro não era nada, o poder não era nada. Vi tanta gente que tinha dinheiro e poder, e mesmo assim era infeliz.


A beleza não era nada. Vi homens e mulheres belos, infelizes, apesar de sua beleza.


Também a saúde não contava tanto assim. Cada um tem a saúde que sente.


Havia doentes cheios de vontade de viver e havia sadios que definhavam angustiados pelo medo de sofrer.


A felicidade é amor, só isto.
Feliz é quem sabe amar. Feliz é quem pode amar muito.
Mas amar e desejar não é a mesma coisa.
O amor é o desejo que atingiu a sabedoria.
O amor não quer possuir.
O amor quer somente amar.

Do Amor - Hermann Hesse

Tudo de bom!
Renata

Pelos caminhos da vida. disse...

Poema intenso, forte, sem nenhuma esperança mas bem escrito por vc poeta.

Qto tempo hein amigo??

Parabéns por mais um livro, mais uma conquista, mais uma vitória de muitas que ainda virão pela frente, vc merece, és um VENCEDOR.

Fiquei muito feliz com sua visita, a blogsfera está cada vez aumentando mais, os amigos tb e às vezes meu tempo se torna curto para visitar todos, mas um detalhe não esqueço de nenhum, pois já moram em meu coração.

Fim de semana iluminado Átila.

beijooo.

Vivian disse...

...Átila querido,
tão bom encontrar tão lindo
poeta em meu canto!

bjbj, moço!

J Araújo disse...

Átila, obrigado pelo comentário lá no Notas...convido-o a conhecer também: (http://serrademinas.blogspot.com).
Outra coisa, seus livros pode ser adquiridos em qualquer livraria do Brasil? Responda, me interessei, assim como outros leitores de ouras partes do país.

abraço

Franciellen :) disse...

Que bonito poema.

E quanto tempo, hein! Parabéns pelo seu novo livro! Sucesso! :)

Branca disse...

A expectativa que temos nesses dias que antecedem o natal é tão prazerosa quanto o próprio Natal.
Expectativa de receber uma msg de um amigo ausente... de rever parentes distantes... pessoas que estimamos... de sentir o carinho da família e de percebermos que, o amor move a nossa vida e que não somos nada, sem o carinho daqueles que nos cercam e nos são queridos.
Tenha um Feliz e Abençoado Natal junto aos seus!!!
Beijo carinhoso,
Branca.

Fanzine Episódio Cultural disse...

O Fanzine Episódio Cultural é uma jornal bimestral (Machado-MG/Brasil) sem fins lucrativos distribuído gratuitamente em várias instituições culturais, entre elas: Casa das Rosas (SP/SP), Inst. Moreira Salles (Poços de Caldas-MG) e Cia Bella de Artes (Poços de Caldas-MG). De acordo com o editor e poeta mineiro Carlos Roberto de Souza (Agamenon Troyan), “o objetivo é enfocar assuntos relacionados à cultura, e oferecer um espaço gratuito para que escritores, poetas, atores, dramaturgos, artistas plásticos, músicos, jornalistas... possam divulgar suas expressões artísticas”.