Conheçam a Saga Vale dos Elfos.

sábado, 4 de abril de 2009

Barack Obama: um Bush disfarçado.


Frente a todo o otimismo com a eleição do novo presidente estadunidense, é notável explanar algumas coisas acerca desse fato tão inusitado para a história desse país, e também, para a história do mundo. E em primeiro lugar, é importante dizer que realmente tratou-se de um acontecimento ligado a uma grande mudança de paradigma, já que poucos pensavam até pouco tempo atrás na possibilidade de um presidente negro na Casa Branca.

Um país com uma forte diferenciação racial, como os Estados Unidos, aparentemente, teria pouco espaço para a eleição de um presidente negro, uma vez que todos já bem sabem que a política ali é hegemonicamente voltada para as elites brancas, em detrimento aos negros, que são confinados em locais específicos, e com os direitos cerceados por políticas de distinção, principalmente, através de diferenças em investimentos nas áreas públicas dos bairros, que geralmente são distintos, uns voltados para a habitação dos brancos, e outros, os mais pobres, para a moradia dos negros. Entretanto, o que muitos julgavam inesperado, acabou por acontecer, e um homem negro se tornou presidente dos Estados Unidos.


E talvez, algumas deduções a esse respeito tenham surgido quase por simbiose, ao invés de terem sido ponderadas através de argumentos que as sustentassem. A primeira dessas inferências estaria ligada a idéia de que por ser negro, Barack Obama seria um presidente que se importaria com as causas sociais, com os pobres no mundo, e que daria fim a política Neo-colonialista do governo anterior. Parecia até um conto de fadas, de tanta esperança disseminada pela imprensa marrom, que como bem se sabe, apóia a política estadunidense. Pois bem, mas nada em seu discurso dizia isso, e o simples fato dele ter vindo de uma origem considerada como injustiçada, não garante que ele tenha qualquer compromisso com esses ou outros grupos que se vêem esmagados pelas políticas dos Estados Unidos.


Assim, muitos caíram no conto do vigário, ou melhor, no conto do Obaminha. E a bem da verdade, ao que parece, ele só ganhou a eleição por reforçar muitos dos valores do governo anterior, e por assumir uma postura conservadora diante da religião e da política, dentre outros assuntos. E a questão volta, ser negro não quer dizer ser de esquerda, nem ser revolucionário, nem ser contra as injustiças. Será que não há nenhum negro no mundo, ou nos Estados Unidos, que seja um conservador? Ao que parece, há sim, e Barack Obama parece ser um deles, muito embora, se mostre menos metódico que seu antecessor, George W.Bush.


E talvez muito da visão de um Obama libertário esteja em se fazer um paralelo entre ele e Bush, que é tão conservador, que provavelmente assustaria até Adolf Hitler, daí, a imagem de Obama como não conservador, sendo colocado ao lado do seu antecessor. Dessa forma, o mundo parece ter acreditado cegamente na construção discursiva mais mal contada de todas, a de que alguém contra os valores da sociedade estadunidense estaria sendo eleito para governa-la, quando na verdade, o que foi eleito, ao que parece, foi uma versão mais moderada de seus ditadores da Democracia. Aparentemente, usaram o estereótipo do negro, para parecer que seria a eleição de alguém que modificaria tudo, que acabaria com as injustiças do governo chauvinista de Geoge W.Bush.


Mas na verdade, o que se vê, é que Obama corrobora todos os valores da sociedade estadunidense, e com exceção de algumas poucas coisas, nada mudou. E as mudanças que ocorreram, foram apenas fruto de uma visão política menos exacerbada, frente ao grupo de George W.Bush. Ou seja, foi apenas uma mudança conjuntural, e não uma revolução, como muitos começaram a pregar por ai. O mundo não mudou com isso, as estruturas ainda são as mesmas. Foi apenas uma maquiagem, e das bem finas, para tampar algumas mazelas que causavam uma grande impopularidade aos Estados Unidos. E parece que deu certo, pois muitos que queimavam a bandeira estadunidense, junto à foto de Bush, agora a adoram junto ao retrato de Obama, sendo que um parece não passar de uma continuação disfarçada do outro.


Pessoalmente, eu não acreditei nem por um segundo em Barack Obama, e me orgulho disso. E eu já vinha pensando em fazer esse texto há algum tempo, mas quis esperar o momento certo, para ter um exemplo concreto, e agora eu o tenho. Vejam só o que está acontecendo no Afeganistão, a continuidade da guerra contra os muçulmanos, sob o pretexto de que seus grupos guerrilheiros são “terroristas”. Assim, continua-se a cruzada pelo petróleo alheio, e pelo controle do mundo, atacando aqueles que não se submetem a política Neo-liberal. E Obama agora vai mandar mais soldados, e pede o mesmo aos aliados dos Estados Unidos que corroboram essa desumanidade.
A todos que apoiaram Barack Obama, enganados ou não, acredito que o povo afegão agora agradece a vocês.

Átila Siqueira.


"Aproveito a postagem para me desculpar com meus amigos blogueiros pela minha ausência, mas é que meu computador havia queimado, e eu estava sem internet.
Aproveito também para continuar a oferecer o meu livro a todos que desejarem adquirir um exemplar com dedicatória. É só entrar em contato comigo pelo e-mail: atilasiqueira1@yahoo.com.br".

7 comentários:

Judô e Poesia disse...

Olá,
Venho acompanhando os rumos de Ásgard e gostaria de dizer que compartilho de sua opinião, nada mudará para nós, que não parta de nós mesmos, e nem para o mundo, que não seja pela luta de todo o mundo.

Tamires . disse...

Átila,
Hj não vou me ater ao post, pq minha opinião ainda é meio confusa.

Mas passo aqui pra registrar saudades e carinho.
E agradecer sua generosidade e carinho sempre lá nos Pés descalços.

Um beijo, querido!

FRAN "O Samurai" disse...

Oi Átila meu amigo!

Eu ainda não consegui tempo para fazer o depósito, mas durante essa semana eu darei um jeito, desculpe pelo atraso e vou querer o livro sim com certeza! Correria geral aqui. Hehehe!

Sobre a postagem, complicado. Obama tem pose e fala bonito... Mas temos que esperar pra ver se realmente fará alguma coisa. Odeio o Bush e espero que Obama não siga seus passos.

Mas temos que esperar... apenas esperar, mas gostei de suas argumentações e sua opinião. Concordo em alguns pontos.

Abraço e logo faço o depósito.

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Como não concordar com vc? Só os ingênuos pensavam que ia ser diferente.
Átila:
Resenhei a Última Tentação de Cristo e apresento as obras de David Hockney no Galeria. Espero que me visite. Acabo de voltar de uma pequena intervenção cirúrgica. Foi o meu irmão quem postou para mim.
Um beijo,
Renata
PS: Vá antes da Páscoa

Pelos caminhos da vida. disse...

Páscoa é tempo de Amor,
de família e de Paz…
É tempo de agradecermos
discretamente
por tudo que temos
e por tudo que teremos.

Páscoa é um sentimento
nos nossos corações
de esperança e fé e confiança.
É dia de milagres;
é dia dos nossos sonhos parecerem
estar mais perto,
tempo de retrospecção
por tudo que tem sido
e uma antecipação de tudo que será.
E é hora de lembrar
com amor e apreciação
as pessoas em nossas vidas
que fazem diferença…

Feliz Páscoa.

beijooo.

Mai disse...

Oi, amigo qurido.

Tenho estado sempre por aqui.
Estive em meio à exames e preocupações com a saúde deixaram-me mais off...

Desejo-te uma feliz Páscoa, junto aos teus.

Fica be.

Paz!

Mai

Luciana Negreiros disse...

É verdade Átila, eu me diverti e ao mesmo tempo sofri com o pânico da personagem da Julia Roberts de subir ao altar, não poderia deixar de publicar esse filme.

Obrigada pela visita e uma feliz Páscoa.